Glaucha

Tudo dança. Não vejo o tempo. Não vejo como as pessoas se dispersaram do meu sonho. Elas se dispersaram porque se dispersaram, quando acordei. Eu já não as vejo. Eu sei somente nomes: um dia começa a nascer. Elas se parecem muito com este novo dia. A boca do novo dia, como suas bocas. O prazer de bater nesta luz do sol é o meu prazer. É o seu tempo de prazer. Eu me agacho, eu procuro a minha outra maneira de ser, como a folha desajeitada no novo chão. Outra maneira única. Eu sou como uma pequena ruazinha sem pedestres onde um senhor estende sua tenda de pães...
...Óialáquemvemvindo! MORALINE DE CÕNACO! Quimuié! Arto, eusô assartanti! Quiázar! Zorra la femme... Situsubéce, tôcuma pressa depegá o ônibus Partenon 27 seu assartanti, quiázonzeora pássaqui. Essas MARGINAL! Blusa solta de reine de Babylone, Nabuchodonosora do Partneon-HOWARD HUGNES the western aprroaches telenovelizado a ouropreto já tâmo! Fishbone: Água de Colônia. Sifileiser. Procurar um fiador. Mlle HH 007, muse de petites écrans globais. QUI CORCHALINDA.! Cinta-liga-lá. Madone des sleepings alamizá-se de Madona Madona, Madona Madona Madona Madona Madona Madona Madona Madona Madona Madona Madona Madona Madona Madona Madona Madanona Madona Madona Madona Madona Madona Madona Madona Madona Madona, Mad!
... Eu não darei mais importância às pequenas marcas da aparência exterior. Ela terá de ter ela mesma a sua força. Nenhum homem poderá me encarcerar dentro da sua casa ideal e abstrata de beleza que ele imagina. Sou, sem nenhuma janela para poder se olhar. Eu desenho a minha outra janela, e ela está sobre uma rua, uma rua que é um deserto com pequenas estátuas ao sol. No deserto da minha confiança adquirida as casas não serão mais casas. Elas não terão móveis e flores, terão apenas cortinas para esvoaçarem com o vento. O meu amor será semelhante a qualquer amor, mas dos seres que inventam o seu próprio amor. Descubro que não descubro, apenas acho. A noite do meu sonho se retirou, como quem cumpriu sua missão, deixando esquecida aqui uma nova vida. Na praça deserta, só eu e minha estátua. Estar aqui é como uma prova definitiva: nunca mais me sentirei como aquele polvo desajeitado, que não pode mais reter seus tentáculos. Destruir-se a si mesmo.